Chapa de aço

Quando se trata de modernidade, economia e desenvolvimento do país, sem dúvida a indústria de máquinas e equipamentos para o uso de extração mineral, peças e acessórios (exceto a extração de petróleo), possui uma significativa parcela de contribuição, que gira em torno de 3% a 5% do PIB (Produto Interno Bruto).

Dos metais à cerâmica, passando pelo aço e suas derivações, como por exemplo as chapas de aço, essa industrialização de máquinas e equipamentos é responsável por grande parte da infraestrutura nacional (envolvendo, por exemplo, as minerações e pedreiras), utensílios e equipamentos (como elevadores e transportadores de ação contínua para trabalhos subterrâneos), que fazem parte da vida das pessoas, sem que elas muitas vezes percebam.

Por tudo isso, e não por acaso, é que este importante setor tem inclusive as suas atividades e normas monitoradas pela CONCLA (Comissão Nacional de Classificação), com o apoio do CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas), com o objetivo de definir as normas de utilização e a padronização das classificações estatísticas nacionais.

Para ambos, o segmento Metalúrgica envolve a conversão de minérios ferrosos e não-ferrosos em produtos metalúrgicos, por meios térmicos, eletrometalúrgicos ou não (fornos, convertedores etc.), e outras técnicas metalúrgicas de processamento para a obtenção de produtos intermediários dos minérios metálicos, tais como: o aço líquido, a produção de laminados, relaminados, trefilados, retrefilados (chapas, bobinas, barras, perfis, trilhos), entre outros.

Já o segmento de Máquinas e Equipamentos inclui a fabricação de componentes mecânicos, partes e peças, para as atividades industriais, agrícolas, extração mineral e construção, transporte e elevação de cargas e pessoas, instalações térmicas e demais atividades semelhantes (como motores, bombas, compressores e equipamentos de transmissão; tratores etc).

No Brasil, a indústria Metalúrgica é responsável por mais de 4.000 estabelecimentos, de acordo com os dados do CNAE, enquanto a indústria de máquinas e equipamentos conta com mais de 14.500 estabelecimentos.

Métodos para a fabricação de aço têm evoluído significativamente desde a produção industrial começou no final do século 19. Os métodos modernos, no entanto, ainda são baseados na mesma premissa como o Processo Bessemer, ou seja, como usar de forma mais eficiente de oxigênio para reduzir o teor de carbono no ferro para a criação de chapas de aço e gradil de proteção.

O aço não é um único produto. Existem muitos milhares de diferentes qualidades de aço com uma variedade de propriedades – física, química, mecânica e. A juntar a isso, cada grau pode ser produzido de várias formas diferentes.

A partir de um ponto de vista geométrico, formas de produtos de aço podem ser divididos em produtos planos e longos. Uma forma alternativa para descrever formas produto é seguir a rota de produção, começando com produtos semi-acabados, produtos laminados, e produtos acabados por operações adicionais.

Os processos industriais modernos carregam a marca de serem simultaneamente alinhados com tecnologias de prestação de serviços tanto para particulares quanto para empresas. Claro que o peso dessa produção se dedica para a indústria pesada, justamente devido ao maquinário gigantesco envolvido. O uso de adequadas chapas finas quentes para esses diversos processos é algo fundamental de ser entendido, pois os setores que podem ser aplicados podem ir desde a indústria naval até caldeiras e vasos de pressão. Aqui abordaremos um processo mais do que a indústria em si, a estampagem.

Esse processo consiste na conformação de chapas executado comumente a frio, e que abarca um conjunto de intervenções por meio das quais uma chapa de aço é manipulada de modo a tomar outra forma geométrica, plana ou oca. É o procedimento empregado para fazer com que uma chapa plana adquira a forma de uma matriz, estabelecida pela ação de um punção.  Como produto da estampagem temos chapas para fazer peças com paredes finas feitas de chapa ou fita de vários metais e ligas. Tal operação produz peças de uso cotidiano como portas de carro, banheiras, rodas, entre outras.

A chapa de aço é muitas vezes referida como “aço resistente à corrosão”, que não mancha, corrói ou enferruja tão facilmente quanto o aço de carbono normal. No entanto, seria enganoso dizer que é à prova de corrosão. Ela difere significativamente do padrão de aço carbono devido à quantidade de cromo presente, o que limita a corrosão de superfície, ao contrário de aço carbono que enferruja quando exposto ao ar e a qualquer umidade na atmosfera. Devido às suas qualidades antioxidação, uma chapa de aço inoxidável é muitas vezes uma solução mais popular.